Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LITORAL CENTRO - COMUNICAÇÃO E IMAGEM

“A LIBERDADE DE IMPRENSA É UM DOS GRANDES BALUARTES DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA QUE NUNCA DEVE SER RESTRINGIDA POR FORÇAS OU GOVERNOS DESPÓTICAS.” - J.Carlos

09
Abr20

Barcelos | Politécnico do Cávado e do Ave já distribuiu 10.000 viseiras a mais de 70 unidades de saúde, IPSS e Proteção Civil


J. CARLOS

O Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) já produziu e distribuiu 10.000 viseiras de proteção individuais para os hospitais e unidades de saúde do Norte, bem como a outras entidades da área social e da proteção civil.
Esta medida surge no âmbito da responsabilidade social da Instituição que em tempo recorde, em pouco mais de uma semana, produziu 10 mil viseiras de proteção. Vítor Carvalho, Diretor da Escola Superior de Tecnologia referiu que a escola tem "procurado canalizar os seus recursos para a criação de soluções que ajudem a minimizar o impacto do COVID-19 junto da sociedade, tendo sido o fabrico de viseiras, um dos projectos em curso."
João Vilaça, Diretor do Centro de Investigação em Inteligência Artificial Aplicada (2Ai) adiantou ainda que "esta acção só foi possível graças à forte cooperação com a indústria da região que a o 2Ai tem, destacando o contributo das empresas Lucemplast, Polipop, Riopele e Adilevel."
As viseiras foram produzidas nos corredores da instituição, onde estão instaladas as linhas de montagem, com a ajuda dos investigadores e de uma bolsa de voluntários do IPCA, bem como na empresa Lucemplast, que replicou também uma linha de montagem.
Fernando Veloso, Investigador do 2Ai declarou que "foram desenvolvidos vários protótipos, inicialmente com recurso a impressão 3D, mas só a migração para um processo de fabrico aditivo permitiu a produção em massa das viseiras."
O protótipo desenvolvido foi validado por uma equipa clínica do Hospital de Barcelos. As viseiras foram já distribuídas por mais de 70 unidades de saúde e IPSS e Protecção Civil no Norte do país.
Presidente do IPCA, Maria José Fernandes, Diretora da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do IPCA, Alexandra Malheiro e Diretor da Escola Superior de Tecnologia do IPCA, Vítor Carvalho
Investigador Fernando Veloso com viseira produzida no IPCA-
 
Ana Teixeira
09
Abr20

A completa infâmia em contraste com a suma perfeição


J. CARLOS

 
Plinio Corrêa de Oliveira
 
Neste célebre quadro, Giotto* pintou Judas no ato de oscular Nosso Senhor Jesus Cristo. Era o ósculo da traição, no momento em que Nosso Senhor, pouco antes de ser preso e levado para ser julgado e crucificado, acabava de dizer aquelas tremendas palavras: “Judas, com um beijo trais o Filho do Homem!” (Lc 22, 48).
Com toda a sua sublimidade, Nosso Senhor olha para Judas e o analisa até o fundo da alma. Nesse olhar Ele recusa categoricamente a ação infame de Judas; mas, apesar da recusa à infâmia, olha como quem ainda procura algum resto de boas qualidades em Judas. Procura comovê-lo, numa tentativa de ainda obter sua conversão. É um contraste prodigioso!
Judas é baixo, vil, ganancioso, materialista; com seus lábios grossos e indefinidos, que vão se abrindo para o beijo da infâmia, ele procura com o​ olhar turvo sorrir para mentir. Tem-se a impressão (desculpem-me o prosaísmo) de sentir até o seu mau hálito, na hora do beijo da traição. Eles se olham, e nisso se nota o supremo contraste entre a completa infâmia e a suma perfeição.
A alma do católico verdadeiramente sério vive desse contraste: a tendência contínua para ver o mais sublime, juntamente com a compreensão de que no fundo de qualquer coisa censurável está palpitando a infâmia, pronta para saltar e tomar conta do ambiente. Ver o mundo através de contrastes assim é agir com seriedade.
 
ABIM
 
* Afresco pintado pelo célebre artista italiano da época medieval, Giotto di Bondone (1267-1337), na Capela degli Scrovegni, Pádua (Itália), entre 1302 e 1306.
09
Abr20

Urgência Pediátrica do Hospital de Aveiro reabriu nesta quinta-feira


J. CARLOS

Urgência pediátrica de Aveiro fechou por contaminação de ...
O Centro Hospitalar do Baixo Vouga vai reabrir na quinta-feira o Serviço de Urgência Pediátrica do Hospital de Aveiro, que havia sido encerrado após confirmação de profissionais de saúde infetados com o novo coronavírus, foi ontem anunciado.
De acordo com uma comunicação do Centro Hospitalar do Baixo Vouga, a Urgência Pediátrica vai reabrir a partir das 08:00 e até às 20:00, “horário que se manterá até novas indicações”.
“A partir das 08:00 deste dia 09 de abril, e com toda a segurança, já é possível reabrir o Serviço, ainda que com um horário reduzido”, garante a administração hospitalar.
Segundo esclarece, as crianças que necessitarem de cuidados de urgência “devem, como habitualmente, dirigir-se ao Serviço de Urgência”, fazendo a inscrição em dois espaços distintos, consoante o caso.
“Se vierem encaminhadas pela Saúde 24 ou pelo médico de família com suspeição de infeção pelo coronavírus ou se tiverem sintomas de febre, dores de cabeça e/ou dificuldades respiratórias, farão a sua inscrição na janela exterior, com a inscrição ADMISSÕES COVID, e serão reencaminhadas para a triagem no interior da Urgência Pediátrica”, descreve.
Se as crianças “não tiverem esses sintomas e vierem por outros motivos, deverão fazer a inscrição no interior da Serviço de Urgência de Adultos e devem dirigir-se, pelo exterior, até ao complexo da Consulta Externa de Pediatria”, completa.
 
09
Abr20

Covid-19: Bispo do Porto autorizado a entrar em Ovar para abençoar hospital de campanha


J. CARLOS

Bispo do Porto autorizado a entrar em Ovar para abençoar hospital ...
O bispo do Porto foi ontem autorizado pelo Município de Ovar a entrar nesse território sob cerco sanitário para aí abençoar o hospital de campanha que a câmara pretende colocar em funcionamento ainda esta semana.
 
Em declarações à Lusa, Domingos Silva, vice-presidente da autarquia do distrito de Aveiro que está em estado de calamidade pública desde 17 de março devido à Covid-19, explica que a visita parte de um convite do executivo camarário, já que "presidente e vereadores são todos cristãos e quiseram a bênção de D. Manuel Linda" para esse equipamento de saúde.
A estrutura montada na Arena Dolce Vita foi batizada com o nome "Anjo d'Ovar", está equipada "com 28 camas", tem capacidade para "acolher até 100 se isso se revelar necessário" e aguarda agora a chegada do material técnico que lhe permitirá começar a acolher doentes cuja condição exija internamento.
"A equipa médica está a ser contratada pelo Hospital de Ovar, a Câmara também está a contratar assistentes operacionais para garantir ao local condições de funcionamento 24 horas por dia e o que está em falta agora é só o equipamento médico", afirma Domingos Silva.
Esse material está a ser custeado pela Câmara Municipal "porque de outra forma não ficaria disponível tão cedo", e envolve sobretudo monitores para controlo de sinais vitais e leitura de eletrocardiogramas.
Uma vez operacional, essa unidade de saúde temporária irá "mais do que duplicar a capacidade de internamento do Hospital de Ovar", que, segundo indicação da respetiva direção, é atualmente de 21 camas.
Quanto à disseminação da covid-19 pelo território de Ovar, que envolve cerca de 55.400 habitantes e 148 quilómetros quadrados, o chefe do Executivo camarário, Salvador Malheiro, indicava esta tarde que se registaram "mais dois óbitos no município, totalizando já 18 falecimentos" motivados pelo novo coronavírus.
 
09
Abr20

Bancos impedidos de cobrar comissões por operações digitais


J. CARLOS

Bancos impedidos de cobrar comissões por operações digitais ...
Os bancos vão ficar impedidos de cobrar comissões por operações de pagamento através de plataformas digitais dos prestadores de serviços, segundo uma proposta do PEV com alterações do PS aprovada hoje no parlamento.
O projeto de lei do Partido Ecologista 'Os Verdes' foi aprovado com inúmeras alterações propostas pelo PS durante as votações no plenário de 100 iniciativas legislativas dos vários partidos relacionadas com a crise causada pela pandemia da covid-19.
A iniciativa do PEV, com as alterações dos socialistas, prevê uma "medida excecional e temporária de suspensão de cobrança de comissões devidas pela utilização e realização de operações de pagamento através de plataformas digitais dos prestadores de serviços de pagamentos, designadamente homebanking ou de aplicações com instrumento de pagamento baseado em cartão, por motivo da situação epidemiológica existente no país".
A proposta do PS veio alterar a duração da medida, que passa assim a produzir efeitos até 30 de junho de 2020.
O PEV propunha que a medida durasse "até à cessação das medidas de prevenção, contenção, mitigação e tratamento da infeção epidemiológica por SARS-CoV-2 e da doença covid-19".
 
09
Abr20

México | Big Data Analytics: Salvando Vidas


J. CARLOS

La transformación digital que ha sido posible gracias a la generación y análisis de datos está produciendo cambios en diferentes áreas; el segmento de la salud es una de ellas, donde cuida y salva vidas. Desde cascos inteligentes hasta cirujanos robóticos, la combinación de grandes volúmenes de datos y la analítica están acelerando el diagnóstico en las organizaciones de salud y mejorando la precisión de los resultados. A continuación, expongo algunos ejemplos recientemente descubiertos que no sólo están transformando los servicios en este segmento, sino que también están influyendo en nuestra vida diaria.

Mejoramiento de la Eficiencia de los Servicios Médicos

Las salas de emergencia de todo el mundo están enfrentando situaciones críticas que pueden marcar la diferencia entre la vida y la muerte. Mediante el mejor uso de big data analytics, los equipos de servicios médicos de emergencia pueden reunir y analizar diariamente volúmenes más grandes de datos, así como considerar el gran número de parámetros, incluyendo el análisis de llamadas al 911 (servicios de emergencia) y sus tiempos de respuesta. Este nuevo nivel de inteligencia está ayudando a mejorar la eficiencia operativa. Por ejemplo, conocer mejor la ubicación de un incidente y el tipo de emergencia, así como de los mejores equipos y materiales disponibles. En este sentido, es posible enviar los recursos necesarios para cada emergencia de manera más precisa y rápida, mejorando la efectividad de los equipos de asistencia y médicos para poder salvar vidas.

Reducción de Infecciones Entre Pacientes

Tan sólo en Estados Unidos, una de cada 20 personas que ingresa a los hospitales sufre una infección, lo que puede costar alrededor de $10,000 millones de dólares al año y poner en riesgo a miles de vidas. En los hospitales y clínicas de la Universidad de Iowa, las soluciones de analítica predictiva están ayudando a disminuir el número de infecciones quirúrgicas en hasta un 74%. Al analizar conjuntos de datos más grandes para identificar con mayor precisión los riesgos de los pacientes, el hospital puede realizar las intervenciones correctas, en el momento preciso, a fin de evitar posibles infecciones y mejorar la calidad de la salud en sus entornos.
 
09
Abr20

Carolina Carvalho em lágrimas pela leucemia em estado avançado da irmã de 8 anos


J. CARLOS

Carolina Carvalho esteve à conversa com Júlia Pinheiro esta quarta-feira, dia 8 de abril, e relembrou um dos períodos mais difíceis da sua vida, a doença quase mortal de uma das suas irmãs. Carolina tinha 15 anos e Simone apenas 8 quando foi diagnosticada com uma leucemia em estado avançado.
«A Simone é um ser com muita força. Foi a que de nós todos foi mais posta à prova pela vida. Quando tinha oito anos, foi diagnosticada com uma leucemia e, durante dois anos, foi um período complicado para todos. Sempre fomos muitos unidos e fomos todos postos à prova porque, eventualmente, ela poderia nao vencer esta batalha mas felizmente venceu», começou por contar a atriz, emocionada.
Na altura, Carolina que era a irmã mais velha – no total, são sete irmãos – não entendia por que razão aquela doença grave afetava a irmã. «Eu dizia sempre: ‘Mas por que é que não foi comigo porque sou a mais velha? Porquê com ela? Achava muito injusto e que não fazia sentido», revelou.
 
Carolina Carvalho confessa que chorava «no quarto» e «sozinha»
Durante este período que Carolina recorda sem conseguir esconder a comoção, a atriz tentou ser o pilar dos irmãos. «Mentalizava-me que, se eu fosse abaixo naquele momento, todos os meus irmãos me tinham como ‘exemplo’ e que isso não podia acontecer. Tentava manter a mesma energia mas era difícil», desabafou, revelando que, na altura, para mostrar força, chorava «no quarto, sozinha».
A família receou perder a irmã de Carolina, devido ao estádio já avançado da doença. «Houve uma altura em que eu achei que, de alguma forma, os meus pais nos tentavam preparar para a possibilidade de nos termos de despedir e aí custou», recordou a atriz, ressalvando, contudo, que nunca acreditou que a irmã pudesse partir. «Sempre achei que não era possível. Achei que ninguém iria roubar-nos a nossa irmã, era impossível, mas tinha medo», relembrou.
 
As aprendizagens que ficaram para a vida
Este foi um período muito marcante para a atriz que, mais tarde, teve repercussões na sua vida. «Eu acho que sofri esse período, dois anos mais tarde. Houve uma altura em que eu não percebia por que é que, às vezes, me sentia triste, porque é que, às vezes, havia algumas coisas que me revoltavam, e depois percebi que foi por que eu decidi não sofrer naquele momento e sofrer mais tarde», contou a atriz.
A irmã de Carolina venceu o cancro e recuperou. «O amor acabou por vencer», disse Júlia Pinheiro. «Sim, venceu», respondeu a atriz.
Volvidos dez anos, Carolina Carvalho olha para este momento difícil como uma ‘lição de vida’ e acredita que esta foi uma ‘batalha ‘que tornou a família mais forte. «Todos nós aprendemos a desvalorizar muitas coisas que, às vezes, nos fazem sofrer em vão, e a valorizar outras e o amor é uma delas, vence tudo», afirmou.
 
09
Abr20

Explicação para o cheiro depois da chuva pode estar em relação de quase 500 milhões de anos


J. CARLOS

 

Por Liliane Jochelavicius, em 8.04.2020

O cheiro de terra molhada inspira artistas e também provoca a curiosidade de pesquisadores. O aroma tão característico depois de chover pode ser provocado por bactérias. Esse pode ser um exemplo de comunicação química de mais de 500 milhões de anos, que evoluiu para ajudar um tipo de bactéria a se disseminar.
De acordo com artigo publicado na Nature Microbiology por equipe internacional de pesquisadores, essa bactéria libera compostos responsáveis pelo odor na tentativa de atrair um artrópode específico como forma de espalhar seus esporos.
A fragrância tem destaque quando a primeira chuva de uma estação molha o solo seco. Esse odor específico foi nomeado petrichor por dois pesquisadores australianos depois de um estudo da década de 1960. A pesquisa sugeriu que um óleo produzido por determinadas plantas durante os períodos secos era liberado quando chovia.
O composto orgânico geosmina é um dos principais compostos do petrichor e, há algum tempo, cientistas sabem que o gênero de bactérias Streptomyces produz geosmina. A princípio, todas as espécies de Streptomyces liberam esse composto quando morrem. Mas até o momento não se sabe exatamente porque ela produz esse aroma característico.
 
Comunicação química
Mark Buttner, um dos autores da pesquisa, diz que o fato de todas produzirem geosmina sugere que esteja relacionada a uma vantagem seletiva. Por isso, a equipe suspeita que sirva como um sinal. A alternativa mais óbvia é que se destine a algum animal ou inseto que possa ajudar na disseminação dos esporos.
Depois de realizar experimentos em laboratório e de campo, os pesquisadores identificaram que a geosmina atrai um tipo específico de organismo. Ao estudar as antenas do artrópode Calêmbolo, os cientistas descobriram que ele pode detectar e ser atraído pela geosmina e 2-metilisoborneol (MIB), liberados pela bactéria.
Os pesquisadores estimam que os dois organismos tenham evoluído juntos. Por um lado as bactérias servem de alimento ao artrópode e este espalha os esporos da Streptomyces ajudando a gerar novas colônias.
 
09
Abr20

Football Leaks: Rui Pinto com “disponibilidade para colaborar com a justiça”


J. CARLOS

Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do Luanda Leaks, apresenta “agora um sentido crítico e uma disponibilidade para colaborar com a justiça”, segundo o despacho judicial que determinou a alteração da medida de coação.
Rui Pinto, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, foi colocado na quarta-feira em prisão domiciliária, mas em habitações disponibilizadas pela Polícia Judiciária (PJ) e sem acesso à internet, por decisão do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.
O despacho da Juíza de Instrução Criminal (JIC) Cláudia Pina, a que a agência Lusa teve hoje acesso, diz que, “analisando a pretensão” do arguido quanto à alteração da medida de coação e “as informações remetidas” pela PJ, constata-se que neste momento “encontram-se alteradas as exigências cautelares” relativas à aplicação da prisão preventiva, acrescentando que uma medida de coação menos gravosa “assegura de modo suficiente os perigos de fuga, de conservação da prova e de continuação da atividade criminosa”.
“Por um lado, o arguido inverteu a sua postura, apresentando agora um sentido crítico e uma disponibilidade para colaborar com a justiça, por outro lado, neste momento as fronteiras encontram-se sujeitas a elevados controles devido à pandemia [da covid-19], o que por si reduz o perigo de fuga, importando também salientar que ao arguido deverão ser dadas, como a qualquer outro cidadão, as melhores condições possíveis para que se mantenha saudável e em segurança”, justifica a JIC.
O despacho acrescenta que a PJ “possui os meios necessários para garantir que o arguido não persiste na atividade criminosa nem possui meios de destruição de provas, garantindo que o mesmo se encontra alojado em local sob o seu controlo, sem acesso à internet”.
“Assim, e pese embora se entenda que apenas a aplicação de medida de coação privativa de liberdade assegura de modo suficiente as exigências cautelares, cumulada com a proibição de aceder à internet e a qualquer dispositivo que permitam o seu acesso, neste momento revela-se excessiva a aplicação da medida de prisão preventiva, cuja substituição se determina pela medida de obrigação de permanência na habitação, a executar nas habitações disponibilizadas pela Polícia Judiciária”, explica a juíza.
A JIC autoriza que Rui Pinto tenha companhia ou que receba visitas de pais, parente próximo ou namorada, desde que se garanta que não são portadores de dispositivos que permitam acesso à internet.
 
09
Abr20

Covid-19: Testes retomados em lares de Aveiro e Murtosa no dia que registou mais oito óbitos


J. CARLOS

 
 
Utentes e funcionários dos lares do Centro Social Santa Joana Princesa e da ASAS, na freguesia de Santa Joana, concelho de Aveiro, foram submetidos, esta quarta-feira, aos testes de despistagem de Covid-19 que chegaram a estar previstos para o início da semana, confirmou o presidente da Câmara local, Ribau Esteves.
Só a chegada de material necessário, incluindo dois mil kit’s de rastreio, durante esta terça-feira, permitiu aos profissionais de saúde avançarem para a recolha das amostras para os 75 testes, aguardando-se pelos resultados, que devem ser conhecidos até ao final da semana.
Os dois mil testes disponibilizados pelo Ministério da Saúde, a avaliar pelas requisições feitas pela autoridade de saúde conhecidas pela autarquia aveirenses, esgotar-se-ão em oito dias
Segundo informação do Agrupamento de Centros de Saúde de Aveiro (ACeS), já na terça-feira realizaram-se 27 testes no lar de Santa Joana. Ainda na mesma freguesia de Aveiro, seguiram-se 30 utentes e cinco profissionais do lar de ASAS Santa Joana.
Pela região, foram realizados 63 testes a profissionais e utentes do lar do Centro Paroquial de Avanca, em Estarreja.
Para esta quinta-feira, o calendário prevê deslocações ao lar da Santa Casa da Misericórdia da Murtosa (11 profissionais) e às Residências Autónomas da Quinta da Pinheira (14 utentes), também no mesmo concelho.
O ACeS pretende fazer mais rastreios, ainda a agendar, para “garantir que as populações com risco de exposição a corona-vírus sejam testadas e tratadas”.
No ponto de situação do ACeS do Baixo Vouga de quarta-feira ao final da tarde estavam dados como confirmados 1031 infetados (mais 50), dos quais 81 profissionais de saúde.
56 óbitos no relatório alusivo à ACeS do Baixo Vouga (11 concelhos)