Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LITORAL CENTRO - COMUNICAÇÃO E IMAGEM

“A LIBERDADE DE IMPRENSA É UM DOS GRANDES BALUARTES DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA QUE NUNCA DEVE SER RESTRINGIDA POR FORÇAS OU GOVERNOS DESPÓTICAS.” - J.Carlos

“A LIBERDADE DE IMPRENSA É UM DOS GRANDES BALUARTES DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA QUE NUNCA DEVE SER RESTRINGIDA POR FORÇAS OU GOVERNOS DESPÓTICAS.” - J.Carlos

LITORAL CENTRO - COMUNICAÇÃO E IMAGEM

18
Set19

Viagens de 30 autarcas a Istambul investigadas. Presidente da Câmara de Penamacor acusado


J. CARLOS

Resultado de imagem para Viagens de 30 autarcas a Istambul investigadas. Presidente da Câmara de Penamacor acusado

Em causa estão viagens à Turquia pagas por uma empresa de informática. Ao todo, terão sido oferecidas deslocações a membros de 15 autarquias, escreve o “Público”.
 
O Ministério Público (MP) acusou o presidente e o vice-presidente da Câmara de Penamacor do crime de "recebimento indevido de vantagem" por terem participado numa viagem à Turquia que foi paga por uma empresa. O jornal “Público” desta quarta-feira adianta que 30 autarcas do PS e PSD vão ser investigados.
Em causa estão viagens a Istambul pagas por uma empresa de informática que fornecia 15 municípios. Ao todo, terão sido oferecias deslocações a membros de 15 autarquias, escreve o “Público”.
Esta terça-feira, a agência Lusa avançou que o Departamento de Investigação e Ação Criminal de Coimbra acusou o presidente e o vice-presidente da Câmara de Penamacor (distrito de Castelo Branco), António Luís Beites e para Manuel Joaquim Robalo, respetivamente. O MP também pede perda de mandato para os dois autarcas eleitos pelo PS.
Os factos remontam a abril de 2015, altura em que António Luís Beites e Manuel Joaquim Robalo fizeram uma viagem à Turquia, promovida por uma empresa e na qual também participaram outros autarcas e representantes de comunidades intermunicipais.
Segundo a acusação, a viagem decorreu entre os dias 18 e 21 de abril e as despesas de todos os participantes foram integralmente suportadas pela empresa "Ano - Sistemas de Informação e Serviços", que pretenderia convencer os autarcas a comprarem as respetivas soluções informáticas.